Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/352125
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Classificação de risco e desfecho dos atendimentos na Unidade de Emergência : avaliação da capacidade de predição de três protocolos
Title Alternative: Risk classification and outcome of care services in the Emergency Unit : evalution of the ability of prediction of three protocols
Author: Marconato, Rafael Silva, 1981-
Advisor: Monteiro, Maria Inês, 1957-
Abstract: Resumo: Introdução: A classificação de risco (CR) é uma estratégia para organizar os atendimentos de emergência com protocolos para auxiliar a avaliação, pois as Unidades de Emergência, geralmente superlotadas, são uma das principais portas de entrada ao sistema de saúde. A Unidade de Emergência Referenciada (UER) estudada baseou-se em três instrumentos para CR entre 2004 e 2017: Protocolo 1 (PBEP) ¿ no HumanizaSUS (Ministério da Saúde); Protocolo 2 (PI) ¿ Institucional; e Protocolo 3 (PBSM) ¿ no Sistema de Manchester®. Diante dessa diversidade, acompanhar a eficácia da CR é importante para uma assistência segura. Objetivo: Comparar o valor preditivo da CR aos desfechos dos atendimentos utilizando os protocolos: Baseado na Expertise do Profissional (PBEP), no Protocolo Institucional (PI) e no Sistema de Manchester® (PBSM). Método: Estudo de coorte retrospectiva realizado em um hospital universitário de alta complexidade do interior paulista através dos atendimentos de maiores de 14 anos registrados na UER. Os dados coletados em 2018 contemplam três períodos, conforme protocolo aplicado: 1º período ¿ entre 01/01 e 31/12/2008 (PBEP); 2º período ¿ 01/01 a 31/12/2014 (PI); e 3º período ¿ 01/06/2017 a 31/05/2018 (PBSM). Resultados e Discussão: Foram avaliados 216.667 atendimentos, sendo 72.648 em 2008, 89.187 em 2014 e 56.437 em 2017/18. Mudanças estruturais e administrativas justificam a redução dos atendimentos. A faixa etária predominante foi de 30 a 59 anos (46,9% a 48,3%), com destaque para ?60 anos (19,8%/2008 para 29,9%/2017/18). Houve predominância do sexo masculino em 2008 e 2017/18 (51,9% e 51,2%); a maioria dos atendimentos ocorreu durante o dia (72,5% a 73,1%); a média do tempo de permanência variou de 8,7 a 16,3 horas; e a maioria permaneceu menos de 24 horas (82,8% a 92,3%). A porcentagem de óbito variou de 0,7% a 1,0%. Quanto à CR, 28,0% em 2014 a 51,6% em 2008 dos pacientes não foram classificados; e entre os classificados, houve concentração na categoria verde (42,1%/2014 a 65,4%/2008). A porcentagem de pacientes mais graves foi menor no PBEP (20,3%), seguido do PI (30,8%) e do PBSM (37,1%). Evoluíram para óbito 10,2% (PBSM), 8,2% (PBEP) e 2,6% (PI) de classificados como não graves. A maioria dos óbitos ocorreu entre os vermelhos ¿ 32,3% (PBEP), 51,5% (PI) e 48,1% (PBSM); enquanto óbitos daqueles classificados como azul foram: 0,3% (2008), 0,3% (2014) e 0,9% (2017/18). O desfecho prevalente foi alta hospitalar (81,4% a 88,5%). Os protocolos apresentaram sensibilidade para óbito elevada ¿ PI (0,97), PBEP (0,92) e PBSM (0,90) e especificidade de 0,80 (PBEP), 0,70 (PI) e 0,63 (PBSM). Quanto à sensibilidade de prever internação, os protocolos apresentaram valores menores: 0,64 (PBEB), 0,72 (PI) e 0,66 (PBSM). Conclusão: Os três protocolos apresentaram predição de óbito satisfatória. O PBEP tem maior especificidade para óbito e sensibilidade satisfatória; o PI obteve o melhor desempenho na sensibilidade para óbito e internações, mas, para ambos, baixa especificidade. O PBSM apresentou, apesar de satisfatórios, valores menores de sensibilidade na predição do óbito e internação. A CR obteve sucesso na UER, independentemente do protocolo, com classificação segura dos pacientes, onde poucos dos considerados não graves evoluíram a óbito

Abstract: Background: Risk classification (RC) is strategy to organize emergency care services with protocols to aid evaluation, since the Emergency Units, usually overcrowded, are one of the main entry points into the health system. The studied Referenced Emergency Unit (REU) was based on three instruments for RC between 2004 and 2017: Protocol 1 (PBEP) ¿ in HumanizaSUS (Brazilian Health Ministry); Protocol 2 (PI) ¿ Institutional; and Protocol 3 (PBSM) ¿ in Manchester® System. Given this diversity, monitoring the effectiveness of RC is important for a safe care. Aim: To compare the predictive value of RC to the outcomes of care services using the protocols: Based on Professional Expertise (PBEP), Institutional Protocol (PI) and Manchester® System (PBSM). Method: Retrospective cohort study performed at a high complexity university hospital in the countryside of São Paulo State/Brazil through the care services provided to individuals over 14 years of age registered in REU. The data collected in 2018 contemplate three periods, according to the applied protocol: 1st period ¿ between 01/01 and 12/31/2008 (PBEP); 2nd period ¿ 01/01 and 12/31/2014 (IP); and, 3rd period ¿ 06/01/2017 and 05/31/2018 (PBSM). Results and Discussion: A total of 216,667 visits were evaluated, of which 72,648 were in 2008; 89,187 in 2014; and 56,437 in 2017/18. Structural and administrative changes justify the reduction of services. The prevailing age range was between 30 and 59 years (46.9% to 48.3%), with emphasis on ?60 years (19.8%/2008 to 29.9%/2017/18). There was predominance of males in 2008 and 2017/18 (51.9% and 51.2%); most visits occurred during the day (72.5% to 73.1%); mean length of stay varied from 8.7 to 16.3 hours; and most remained less than 24 hours (82.8% to 92.3%). The death percentage ranged from 0.7% to 1.0%. Regarding RC, 28.0% in 2014 to 51.6% in 2008 of patients were not classified; and among those classified, there was concentration in the green category (42.1%/2014 to 65.4%/2008). The percentage of more severe patients was lower in PBEP (20.3%), followed by PI (30.8%) and PBSM (37.1%). Of those classified as non-severe, 10.2% (PBSM), 8.2% (PBEP) and 2.6% (PI) evolved to death. Most deaths occurred among the red ones ¿ 32.3% (PBEP), 51.5% (PI) and 48.1% (PBSM); while deaths of those classified as blue were: 0.3% (2008), 0.3% (2014) and 0.9% (2017/18). The prevailing outcome was hospital discharge (81.4% to 88.5%). The protocols presented high sensitivity for death ¿ PI (0.97), PBEP (0.92) and PBSM (0.90) and specificity of 0.80 (PBEP), 0.70 (PI) and 0.63 (PBSM). Regarding the sensitivity to predict hospitalization, the protocols presented lower values: 0.64 (PBEB), 0.72 (PI) and 0.66 (PBSM). Conclusion: The three protocols presented satisfactory prediction of death. PBEP has greater specificity for death and satisfactory sensitivity; PI obtained the best performance in sensitivity for death and hospitalizations, but for both, low specificity. PBSM presented, although satisfactory, lower values of sensitivity in the prediction of death and hospitalization. RC was successful in REU, regardless of protocol, with safe classification of patients, where few of those considered non-severe evolved to death
Subject: Serviços médicos de emergência
Triagem
Protocolos
Enfermagem em emergência
Enfermagem
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MARCONATO, Rafael Silva. Classificação de risco e desfecho dos atendimentos na Unidade de Emergência: avaliação da capacidade de predição de três protocolos. 2019. 1 recurso online ( 117 p.) Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Enfermagem, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Marconato_RafaelSilva_D.pdf1.37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.