Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/342122
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Direitos, autonomia e liberdade : o que faz a Gestão Autônoma da Medicação quando entra num CAPS ad?
Title Alternative: Rights, autonomy and freedom : the Gaining Autonomy & Medication experience in a community treatment center for drug and alcohol related health problems
Author: Oliveira, Ana Maria Thomé de, 1973-
Advisor: Surjus, Luciana Togni de Lima e Silva, 1977-
Abstract: Resumo: De acordo com os pressupostos da Reforma Psiquiátrica Brasileira (RPB) em vigor nos últimos 30 anos, os serviços de saúde mental para pessoas com necessidades relacionadas ao uso de álcool e/ou outras drogas apresentam o desafio de prover cuidado pautado na liberdade e necessariamente centrado na promoção de direitos. Experiências de cuidado em liberdade reorientaram a assistência no campo da Saúde Mental, indo em direção à implantação de serviços abertos, comunitários e em consonância com o preconizado pelos Direitos Humanos. No cenário nacional da atualidade, que criminaliza os usuários de drogas e estabelece como única forma de tratamento a abstinência e o isolamento, a proposição de outros modos de cuidar, como, por exemplo, a redução de danos e a não criminalização da população que faz uso de substâncias psicotrópicas ilícitas mostram-se tarefas hercúleas. Mas mesmo diante do retrocesso instituído pela eleição de um governo conservador, iniciativas que reafirmam e sustentam um outro lugar para os usuários dos serviços de saúde mental vem sendo implementadas. Este é o caso da Gestão Autônoma da Medicação (GAM), estratégia canadense adaptada para o Brasil. Visando revelar os aspectos que se constituem barreiras às garantias dos direitos à população que acessa os serviços da rede substitutiva, o presente estudo valeu-se da metodologia qualitativa e dos estudos avaliativos de quarta geração. Utilizando a técnica do grupo focal com usuários do CAPSad de Santos, procuramos compreender as percepções produzidas sobre temas presentes na GAM, como direitos, cuidado compartilhado, poder decisório sobre o uso da medicação, entre outros. Os achados indicam a necessidade de radicalizar a discussão do manejo de medicamento e de outras drogas em cogestão nos CAPSad, o reconhecimento do racismo institucional no desenvolvimento de estratégias de cuidado e a importância da construção de mecanismos coletivos de enfrentamento frente a exacerbação da necropolítica vigente no Brasil atual

Abstract: According to the bases of Brazilian Psychiatric Reform in force in the last 30 years, mental health services for people with alcohol and / or other drug needs present the challenge of providing care based on freedom and necessarily centered on the promotion of rights. Freedom care experiences have reoriented care in the field of Mental Health, moving towards the implementation of open, community services and in line with what is advocated for Human Rights. In actual national scenario, which criminalizes drug users and establishes abstinence and isolation as the only treatment way, the idea of different caring modes, such as harm reduction and non-criminalization of users, has been an herculean task. But even in the face of the retrogression instituted by the election of an ultraconservative government, initiatives that reaffirm and sustain less stigmatized places for those who attend mental health services are being implemented. This is the case of Gaining Autonomy & Medication (GAM), a Canadian strategy adapted to Brazil. Aiming to reveal the aspects that constitute barriers to the rights guarantees for people who access the services of the substitutive network, the present study was based on the qualitative methodology and fourth-generation evaluative studies using the focal group technique with CAPSad users in the city of Santos, São Paulo State, Brazil. We sought to understand the perceptions produced on themes present in GAM strategie, such as rights, shared care, power for decision about medication use, among others. The findings point to radicalize the discussion about medicines and drugs managements at CAPSad, the recognition of institutional racism influencing care strategies, and the importance of create collectively coping mechanisms to face the increase of necropolitics in Brazil nowadays
Subject: Saúde mental
Direitos humanos
Tomada de decisões
Autonomia (Psicologia)
Transtornos relacionados ao uso de substâncias
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: OLIVEIRA, Ana Maria Thomé de. Direitos, autonomia e liberdade: o que faz a Gestão Autônoma da Medicação quando entra num CAPS ad?. 2019. 1 recurso online (179 p.) Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP.
Date Issue: 2019
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Oliveira_AnaMariaThomeDe_D.pdf2.22 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.