Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/331388
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Effect of non-thermal atmospheric plasma application on the dentinal surface and on the adhesion of restorative material = Efeito da aplicação de plasma atmosférico não térmico na superfície dentinária e na adesão do material restaurador
Title Alternative: Efeito da aplicação de plasma atmosférico não térmico na superfície dentinária e na adesão do material restaurador
Author: Ayres, Ana Paula Almeida, 1988-
Advisor: Giannini, Marcelo, 1969-
Abstract: Resumo: O objetivo neste estudo foi avaliar a influência da aplicação de plasma atmosférico não térmico na superfície dentinária, na interface dentina-resina e na resistência de união de um sistema adesivo universal, Scotchbond Universal (3M ESPE). Dois tempos de aplicação do plasma foram analisados: 10 e 30 segundos (seg), na técnica com condicionamento ácido prévio da dentina e na autocondicionante. No capítulo 1, a morfologia e a composição das superfícies tratadas com plasma foram determinadas com Microscopia de Força Atômica (n = 3) e Espectroscopia Confocal Raman (n = 5), respectivamente. A influência do plasma na atividade enzimática de metaloproteinases foi avaliada pelo método de Zimografia in situ (n = 3). Para determinação da resistência de união, utilizou-se o ensaio de microtração (n = 8) após o armazenamento dos espécimes por 24 horas e um ano. Dois métodos de envelhecimento in vitro foram utilizados: "exposição direta à água" e "pressão pulpar simulada", os quais produziram diferenças na efetividade de união e na distribuição dos padrões de fratura. Os espécimes armazenados por um ano na forma de "palitos" apresentaram maior prevalência de fratura coesiva em resina e queda da resistência de união apenas para os grupos tratados com plasma por 30-seg. Porém, os valores destes grupos não diferiram estatisticamente dos demais grupos avaliados após um ano. Quando as amostras foram armazenadas na forma de dentes restaurados, com câmara pulpar submetida à pressão de coluna d¿água, não houve diferença entre os resultados de resistência de união imediatos e após um ano. Os grupos controles apresentaram médias significativamente mais baixas que os grupos tratados por plasma, tanto no modo convencional quanto no autocondicionante, com predominância de falha adesiva. Os resultados do Capítulo 1 indicam que a exposição de dentina hígida e desmineralizada ao plasma não produziu modificações morfológicas quanto à rugosidade da superfície, nem alterações nos espectros de `carbonato¿ e `colágeno tipo I¿. Apenas o espectro do elemento `fosfato¿ apresentou queda após aplicação de plasma por 10-seg. Na técnica adesiva convencional, as imagens zimográficas da dentina não tratada com plasma apresentaram maior fluorescência verde, o que é indicativo de alta atividade enzimática, principalmente na região de camada híbrida. No Capítulo 2, os mesmos grupos foram restaurados e as amostras armazenadas por dois anos apresentaram queda de resistência de união à microtração (n = 8), na técnica autocondicionante. Porém, os grupos tratados com plasma mantiveram os valores de resistência de união imediatos. O tratamento com plasma também aumentou a hidrofilia da dentina e produziu maiores valores de nanodureza (n = 3) e módulo de elasticidade (n = 3) da camada híbrida, em comparação com os grupos controles. Pode-se concluir que a aplicação de plasma atmosférico não térmico em dentina produziu melhores resultados no tempo de 30-seg, sem significantes alterações físico-químicas da superfície dentinária e com aumento considerável da sua hidrofilia. A respeito da interface dente-restauração, o tratamento produziu maiores médias de nanodureza e módulo de elasticidade na camada híbrida, sem aparentemente aumentar a atividade enzimática nessa região. Esses efeitos parecem ter contribuído para a longevidade adesiva

Abstract: This study aimed to evaluate the influence of non-thermal atmospheric plasma application onto the dentin surface, in the dentin-resin interface and in the bond strength of a universal adhesive system, Scotchbond Universal (3M ESPE). Two times of plasma application were analyzed: 10 and 30 seconds, in etch-and-rinse and self-etch adhesive techniques. In Chapter 1, the morphology and composition of plasma-treated surfaces were determined by Atomic Force Microscopy (n = 3) and Raman Confocal Spectroscopy (n = 5), respectively. Plasma influence in enzymatic activity of metalloproteinases was assessed by in situ Zimography. Microtensile test was used to determine the bond strength (n = 8) after specimen storage for 24 hours, one year and two years. Two aging methods were utilized: "direct water exposure" and "simulated pulpal pressure", which produced differences in bonding effectiveness and in failure pattern distribution. One-year stored specimens in "beam" shape showed prevalence of cohesive within resin failure and the bond strength decreased only for 30 s plasma-treated groups. Although these values did not statistically differ from the other groups after one year. When the samples were stored as restored teeth, with pulp chamber submitted to water column pressure, there was no difference among immediate and one-year bond strength, indicating bonding durability. Control groups showed statistically lower mean values, in etch-and-rinse and self-etch approaches, with predominant adhesive failure. The results from Chapter 1 indicate that plasma application on intact and demineralized dentin did not produce morphologic modifications related to surface roughness, neither alterations in `carbonate¿ and `type I collagen¿ spectrums. Only the `phosphate¿ spectrum decreased after plasma application for 10 s. In etch-and-rinse technique, zimography images of untreated dentin showed greater green fluorescence, which indicates high enzymatic activity, mainly in the hybrid layer. In Chapter 2, the same groups were restored and the samples stored for two years showed a decreased microtensile bond strength (n = 8), in self-etch technique. However, the groups that were plasma-treated kept the immediate bond strength values. Plasma treatment also increased the dentin hydrophilicity and produced higher nanohardness and Young¿s modulus means of the hybrid layer, when compared to control groups. In conclusion, the application of non-thermal atmospheric plasma onto dentin produced better results in the time of 30 s, without significant physical-chemical alterations of dentinal surface, increasing dentin hydrophilicity considerably. Regarding tooth-restoration interface, the treatment produced higher nanohardness (n = 3) and Young¿s modulus (n = 3) means in the hybrid layer, without apparently increase the enzymatic activity in this area. These effects seem to contribute to bonding longevity
Subject: Plasma (Gases ionizados)
Adesivos dentinários
Resistência à tração
Nanoindentação
Materiais dentários
Dentina
Editor: [s.n.]
Citation: AYRES, Ana Paula Almeida. Effect of non-thermal atmospheric plasma application on the dentinal surface and on the adhesion of restorative material = Efeito da aplicação de plasma atmosférico não térmico na superfície dentinária e na adesão do material restaurador. 2017. 1 recurso online (87 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Piracicaba, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/331388>. Acesso em: 1 set. 2018.
Date Issue: 2017
Appears in Collections:FOP - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ayres_AnaPaulaAlmeida_D.pdf6.61 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.