Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/330562
Type: DISSERTAÇÃO DIGITAL
Degree Level: Mestrado
Title: Influência da iluminação em sala de parto nas manifestações emocionais de parturientes : ensaio clínico randomizado
Title Alternative: Lighting influence in delivery room in the events of emotional pregnant women : randomized controlled trial
Author: Silva, Michelle Gonçalves da, 1982-
Advisor: Shimo, Antonieta Keiko Kakuda, 1953-
Abstract: Resumo: Objetivos: registrar e identificar as expressões emocionais das parturientes, manifestadas durante o período expulsivo sob a influência da iluminação do ambiente; comparar as expressões emocionais das parturientes em dois ambientes distintos: com iluminação comum e usual e com baixa luminosidade. Método: trata-se de um ensaio clínico, controlado e randomizado com abordagem pragmática, com características de duplo-cego na randomização e simples-cego na abordagem puerperal sobre a influência da iluminação em sala de parto nas manifestações emocionais das parturientes por meio do Sistema de Codificação da Ação Facial (FACS ¿ Facial Action Coding System). Foram selecionadas 95 parturientes. Os critérios de inclusão foram: parturientes maiores de 18 anos, com gestação a termo e feto em apresentação cefálica fletida, dilatação cervical ? 6 cm, tendo a presença de um acompanhante de sua escolha durante o trabalho de parto e parto e, não ser portadora de intercorrências clínicas/obstétricas. As mulheres foram divididas em dois grupos (iluminação comum e usual e baixa luminosidade da sala de parto) por meio da abertura de envelopes pardos confeccionados e lacrados pelo serviço de estatística da FENF/Unicamp, não sendo de conhecimento da parturiente nem da pesquisadora a qual grupo de estudos a parturiente pertenceria. Este estudo foi desenvolvido em uma maternidade pública do município de São Paulo, após autorização da instituição participante e aprovação dos Comitês de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo. A captação das imagens de manifestações emocionais faciais foi feita por uma filmadora apta para captura de imagens em ambientes com baixa iluminação em todas as salas em que ocorrem partos nesta instituição e as imagens foram analisadas e codificadas manualmente de acordo com as recomendações e Normas do Sistema de Codificação da Ação Facial. Resultados: a emoção mais presente no período expulsivo é a raiva (33,9%). As diferenças entre os grupos do estudo quanto à presença de emoções são significativas: medo (p < 0,0001), nojo (p = 0,0091) e tristeza (p = 0,0060) estiveram mais presentes no Grupo Controle (GC). Já o Grupo de Intervenção (GI) apresentou mais alegria (p< 0,0001) e raiva (p < 0,0001). Em contrapartida, a emoção surpresa não apresentou significância estatística entre os grupos. Avaliando a ordem sequencial de aparecimento (emoção 1, 2, 3, 4, 5 e 6) e predominância das emoções durante a evolução do período expulsivo e em comparação entre GC e GI, foi possível analisar que os dados não demonstraram significância estatística quanto às primeiras emoções capturadas e codificadas nas imagens, apesar de que, em números absolutos, o medo esteve mais presente como primeira emoção capturada em ambos os grupos (GC: 76,09%; e GI: 51,22%). Já com o decorrer do período expulsivo, observou-se diferenças estatísticas significativas com todas as demais emoções, sendo a emoção 2 com 42,86% de surpresa no GI (p = 0,0277); a emoção 3 com 40,82% de raiva em GI (p = 0,0022); a emoção 4 com 48,78% de alegria e 41,46% de raiva em GI (p = 0,0016); e a emoção 5 com 76,19% de alegria em GI (p = 0,0009). Quando avaliou-se a alegria como emoção predominante na posição 5 dessa sequência de emoções do GI e total na posição 6 em ambos os grupos, constatou-se um resultado significativo: todas as parturientes do estudo independente do grupo avaliado terminaram seus partos com a emoção da alegria. A comparação entre os dados encontrados pelas codificações das emoções com os verbalizados pelas parturientes das emoções sentidas no período expulsivo não obtiveram concordância, apresentando força poor de concordância de Kaapa. Conclusões: foi evidenciado que o ambiente com baixa luminosidade promove uma sequência de emoções que respeita e auxilia a fisiologia do período expulsivo do trabalho de parto (medo, surpresa, raiva e alegria). Já o ambiente com iluminação usual e comum sofre interferências no aparecimento sequencial dessas emoções, interferindo no processo fisiológico do expulsivo (medo, medo/surpresa, nojo, surpresa, raiva e alegria). Quando comparou-se as emoções codificadas pela pesquisadora por meio da FACS das imagens analisadas do período expulsivo em sala de parto com as emoções verbalizadas pelas puérperas participantes desse estudo, não houve concordância entre os dados

Abstract: Purposes: register and identify the emotional expressions on mothers, expressed during the second stage under the influence of the ambient light; compare the emotional expressions of pregnant women in two different environments: with ordinary and usual lighting and in low light. Method: it is a clinical trial, randomized controlled with pragmatic approach, with double-blind characteristics at randomization and single-blind in puerperal approach on the influence of light in the delivery room in the emotional manifestations of pregnant women through Facial Action Coding System (FACS). 95 pregnant women were selected. Inclusion criteria were: higher mothers of 18 years, with term pregnancy and fetus in vertex presentation, cervical dilation ? 6 cm, and the presence of a companion of their choice during labor and birth, and not being a carrier clinics / obstetric complications. The women were divided into two groups (common and usual lighting and low light of the delivery room) through the opening made manila envelopes and sealed of by the statistical office FENF / Unicamp, not in knowledge of the mother or the researcher which group studies the mother belong. This study was developed in a public hospital in São Paulo, after approval by the participating institution and approval of the Ethics Committee in Research of the State University of Campinas School of Medical Sciences and the Municipal Department of Health of São Paulo. The capture of facial emotional expressions of images was made by a capable camcorder to capture images in low lighting environments around the rooms in which they occur births in this institution and the images were analyzed and manually coded according to the recommendations and System Standards Facial Action Coding. Results: the most emotion in this second stage is anger (33.9%). The differences between the study groups for the presence of emotions are significant: fear (p <0.0001), disgust (p = 0.0091) and sadness (p = 0.0060) were more frequently found in the control group (CG) . But the Intervention Group (IG) had more joy (p <0.0001) and anger (p <0.0001). In contrast, the surprise emotion was not statistically significant between groups. Evaluating the sequential order of appearance (emotion 1, 2, 3, 4, 5 and 6) and predominance of emotions during the course of the second stage and comparing GC and GI, it could analyze the data showed no statistical significance regarding first emotions captured and coded in the images, although in absolute numbers, the fear was more present as the first captured emotion in both groups (GC: 76.09% and GI: 51.22%). Now the course of the second stage, we observed statistically significant differences with all other emotions, and emotion 2 with 42.86% surprise in GI (p = 0.0277); emotion 3 with 40.82% of rabies in GI (p = 0.0022); emotion 4 with 48.78% of joy and 41.46% of rabies in GI (p = 0.0016); and emotion 5 with 76.19% of joy in GI (p = 0.0009). When we evaluated the joy as the predominant emotion in position 5 of this sequence of GI emotions and full in position 6 in both groups, there was a significant result: all the patients of the independent study evaluated group finished their deliveries with emotion Joy. The comparison between the data found by the encodings of emotions with verbalized by the mothers of the emotions felt in the second stage did not achieve agreement, with poor strength Kaapa agreement. Conclusions: it was shown that the low-light environment promotes a sequence of emotions that respects and helps the physiology of the second stage of labor (fear, surprise, anger and joy). But the environment with usual and ordinary lighting suffers interference in the sequential appearance of these emotions, interfering with the physiological process of expulsion (fear, fear / surprise, disgust, surprise, anger and joy). When we compared the emotions encoded by the researcher by FACS of the images analyzed the second stage in the delivery room with verbalized emotions by participating mothers in this study, there was no correlation between the data
Subject: Emoções manifestas
Iluminação
Salas de parto
Parto normal
Enfermagem obstétrica
Editor: [s.n.]
Citation: SILVA, Michelle Gonçalves da. Influência da iluminação em sala de parto nas manifestações emocionais de parturientes: ensaio clínico randomizado. 2016. 1 recurso online (105 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Enfermagem, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/330562>. Acesso em: 31 ago. 2018.
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FENF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_MichelleGoncalvesDa_M.pdf1.94 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.