Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/320964
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Por uma teoria social cosmopolita : modernização, mundialização/globalização e entendimento intercultural
Title Alternative: A quest for cosmopolitan social theory : modernization, globalization and intercultural understanding
Author: Bosco, Estevão Mota Gomes Ribas Lima, 1983-
Advisor: Ferreira, Leila da Costa, 1958-
Abstract: Resumo: O domínio de objeto deste estudo circunscreve a vinculação interna entre cosmopolitismo e modernização recentemente estabelecida na teoria social, com ênfase na esfera da cultura. Essa vinculação é operada com o propósito de compreender as transformações impulsionadas por uma modernização que mundializa e globaliza. A estratégia metodológica utilizada é a reconstrução. O estudo apresenta duas teses, uma descritiva, outra teórica. A tese descritiva sustenta que a resignificação da ideia de cosmopolitismo dá forma a três dimensões de sentido ¿ como diagnóstico de época, como fundação teórica e metodológica experimental e como projeto político. A tese teórica parte da identificação de insuficiências em teorias estabelecidas da modernização para endereçar a mundialização/globalização, i.e o cosmopolitismo atual. Nomeadamente, insuficiências nos programas de Jürgen Habermas e Ulrich Beck. Essas insuficiências se devem, assim é defendido, à pressuposição metateórica de dedução do todo (modernização) pelo efeito (racionalização) que o mesmo introduz na parte (sociedade). A concepção tradicional de modernização como racionalização social está ancorada nessa pressuposição metateórica. Em vista disso, enfatizam-se algumas alternativas a tais insuficiências elaboradas pela versão pós/descolonial de cosmopolitismo ¿ apesar de a perspectiva teórica destes estudos diferir da adotada no presente estudo. Para compreender uma modernização que mundializa e globaliza, argumenta-se ser necessário partir da pressuposição metateórica da relação entre as partes (entre as sociedades). Delineia-se, então, um programa reconstrutivo de pesquisa. Esse programa parte de estudos aplicados sobre o cosmopolitismo atual, iluminando aspectos-chave da mundialização como experiência. Em seguida, introduz-se uma interpretação da experiência da mundialização como experiência hermenêutica, mediante um diálogo estreito com a hermenêutica filosófica de Hans-Georg Gadamer. Assim concebida, a experiência da mundialização invoca um conceito indiciário de entendimento intercultural. Esse conceito é definido por duas esferas estruturantes internamente vinculadas, uma hermenêutica, outra teórico-sociológica. No plano hermenêutico, distinguem-se três aspectos constitutivos da linguagem: o caráter semanticamente flutuante da palavra, a natureza intersubjetivamente vinculante do uso da linguagem e a analogia como mediação da imbricação entre pensamento e linguagem. No plano teórico-sociológico, voltamo-nos para a relação problemática entre cultura e episteme no contexto da pretensão de verdade e para tipos de aprendizagem mediatizados pelo entendimento intercultural. Disso, é vislumbrada uma concepção de modernização dotada de duas dimensões: por um lado, temos a pressuposição metateórica de dedução do todo pela parte, o entendimento mútuo concebido comunicativamente, a evolução social e a modernização como racionalização social; por outro, temos a pressuposição metateórica de dedução do todo pela relação entre as partes, o entendimento intercultural concebido hermeneuticamente, a coevolução cultural e a modernização como mundialização/globalização. Sugere-se então, no plano metodológico, a orientação do diagnóstico de época para fenômenos que iluminam o entrelaçamento histórico das culturas ¿ e, num sentido amplo, das sociedades ¿ e a orientação para uma prática de pesquisa cooperativa. No plano político-normativo, por fim, sugere-se que um diagnóstico como esse pode ser tido como ponto de partida para a crítica normativa e a construção de uma ordem mundial cosmopolita, ordem esta voltada para o respeito aos direitos humanos. Neste último plano, distinguem-se três ordens de orientação, uma primeira dialógico-normativa, uma segunda jurídica e uma terceira política

Abstract: The object domain of this study circumscribes the internal connection between cosmopolitanism and modernization recently established in the social theory, with the emphasis in the cultural sphere. This connection is established with the intention to understand the transformations stimulated by a modernization that globalizes ¿ culturally, politically and economically. The methodological approach is reconstruction. The study presents two thesis, a descriptive one, and a theoretical one. The descriptive thesis supports that in contemporary social theory the idea of cosmopolitanism is differentiated in three meaning dimensions ¿ as a diagnosis of the present time, as theoretical foundation and experimental methodology, and as a political project. The theoretical thesis is based on the identification of insufficiencies in established modernization theories which address globalization and cosmopolitanism. In this context, Jürgen Habermas' and Ulrich Beck's theoretical programs are prominent. Despite its innovations, I argue that such widening of the research scope has insufficiencies in the theoretical, methodological and normative spheres. Such insufficiencies come from conceiving modernization only as societal rationalization: they can be interpreted as a consequence of the metatheoretical presupposition of the deduction of the whole (modernization) by the effect (rationalization) introduced in the part (society). On this account, some alternatives to these insufficiencies are elaborated by the post/decolonial version of cosmopolitanism. To understand a modernization that globalizes, it is argued to be necessary to start from the metatheoretical presupposition of the deduction of the whole from the relationship between its parts (between societies). Therefore, a reconstructive research program is outlined. This program considers initially key-aspects of the cultural experience of globalization uncovered by applied studies on current cosmopolitanism. Hence, an interpretation of the cultural experience of globalization as hermeneutical experience is introduced through a close dialogue with the Hans-Georg Gadamer's philosophical hermeneutics. Thus conceived, cultural experience of globalization evokes an indiciary concept of intercultural understanding. This concept is defined by two internally connected spheres, a hermeneutical one, and a theoretical-sociological one. In the hermeneutical sphere, three fundamental aspects of language use are distinguished: the semantically "floating" character os the word, the intersubjective binding nature of language use, and the analogy principle as mediation between thought and language. In the theoretical-sociological sphere, we turn to the problematic connection between culture and episteme in the context of truth claim and to learning processes mediatized by intercultural understanding. From this perspective, a bidimensional concept of modernization is considered: on the one hand, we have the deduction of the whole from its part as metatheoretical presupposition, the communicatively conceived mutual understanding, the social evolution, and the modernization as societal rationalization; on the other hand, we have the deduction of the whole from the relationship between its parts as metatheoretical presupposition, the hermeneutically conceived intercultural understanding, the cultural coevolution, and the modernization as globalization. It is then suggested two methodological orientations: the diagnosis of present time should be oriented to phenomena that illuminate the historical entanglement between cultures ¿ in general terms, between societies ¿ and by cooperation as a procedural research practice. Finally, in a politico-normative sphere, it is suggested that this diagnosis can be taken as a critical starting point for normative criticism and for shaping a cosmopolitan world order, which is guided by the human rights observance. In this last sphere, three orientations are distinguished, a dialogic-normative one, a legal-juridical one, and a political one
Subject: Cosmopolitismo
Evolução social
Globalização
Pragmatismo
Hermenêutica
Editor: [s.n.]
Citation: BOSCO, Estevão Mota Gomes Ribas Lima. Por uma teoria social cosmopolita: modernização, mundialização/globalização e entendimento intercultural. 2016. 1 recurso online ( 381 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/320964>. Acesso em: 31 ago. 2018.
Date Issue: 2016
Appears in Collections:IFCH - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Bosco_EstevaoMotaGomesRibasLima_D.pdf2.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.