Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308535
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Avaliação sistematizada da demanda e capacidade instalada para atendimento em oftalmologia e da regulação de fluxo de pacientes na região de Campinas
Title Alternative: Systematic assessment of demand, capacity and flow of care in ophthalmology in the region of Campinas
Author: Oliveira, Denise Fornazari de, 1964-
Advisor: Arieta, Carlos Eduardo Leite, 1956-
Abstract: Resumo: Realizou-se estudo transversal com o objetivo de avaliar e caracterizar o modelo de atenção em saúde ocular em municípios da região de Campinas de acordo com a organização do Sistema Único de Saúde, e oferecer subsídios para a configuração da rede temática regionalizada de atenção à saúde em oftalmologia. Foram incluídos 62 municípios, que compõem a Rede Regionalizada de Atenção à Saúde (RRAS) 15 e RRAS 16 do Estado de São Paulo, para as quais o Hospital de Clínicas da Unicamp é referência de alta complexidade. Foram avaliados os serviços públicos de saúde municipais, estaduais e parcerias presentes na região. Não foram avaliados os serviços de saúde do sistema privado. Foram consultados os funcionários das Centrais de Regulação das Secretarias de Saúde dos municípios. O instrumento utilizado foi questionário semiestruturado, desenvolvido em estudo exploratório, aplicado por entrevista. Foram avaliadas estratégias de atendimento, com variáveis que permitiram caracterizar a assistência oftalmológica quanto ao modelo de atenção adotado, serviços ambulatoriais especializados, fluxo local e regional de pacientes, capacidade resolutiva das unidades, perfil das equipes, instalações físicas, programa de assistência farmacêutica, participação em consórcios e convênios com a assistência suplementar. A região estudada tem uma população de 4.805.691de habitantes. Há serviços de atendimento em oftalmologia em 77,4% dos municípios. Na região estão instalados 5 Ambulatórios Médicos de Especialidades (AME), 2 hospitais filantrópicos, um hospital estadual e 2 hospitais universitários, com atendimento referenciado. Estão presentes 3 consórcios regionais de saúde. O acesso da população ocorre principalmente pela atenção básica (95,2% dos municípios), encaminhada pelo médico clínico (74,2%). O tempo de espera da consulta de oftalmologia está entre 30 e 60 dias. Há lista de espera para consultas em 58,0% dos municípios, de 27.159 pacientes. O volume de consultas mensais disponibilizadas pelo sistema público é de aproximadamente 21.512. São 115 oftalmologistas atuando na rede pública, 87 na RRAS 15 e 28 na RRAS 16, em 57 consultórios com equipamento básico. Os pacientes de maior complexidade são encaminhados aos serviços de referência. Não há atendimento de urgência em oftalmologia em 77,4% dos municípios, e 82,3% dos municípios não têm centro cirúrgico para procedimentos de oftalmologia. Existem filas de espera para cirurgia de catarata em 80,6% dos municípios. São 5.796 pacientes na RRAS 15 e 796 na RRAS 16. Em 13 municípios com filas (26,0%), não há dados sobre números de pacientes nas filas. A maior parte da fila (81,8%) concentra-se em 8 municípios (12,9%). Não existem dados organizados de filas para atendimento em doenças da retina. O programa de assistência farmacêutica, com os medicamentos do glaucoma, está em 79,0% dos municípios, e o transporte sanitário em 100,0%. Os municípios apresentam sistema de referência e contrarreferência de pacientes (53,2%) e a maioria (82,3%) não tem protocolos clínicos de atendimento de oftalmologia. As principais dificuldades encontradas na organização do atendimento são relacionadas ao encaminhamento de pacientes com problemas de maior complexidade (referência, cirurgias e procedimentos de retina). Tal fato corrobora a necessidade da organização do fluxo de pacientes, para que os recursos disponíveis sejam mais bem aproveitados e os investimentos sejam realizados de forma a atender as necessidades detectadas

Abstract: A cross-sectional study was conducted to evaluate and characterize the model of eye care within the Brazilian Health System (SUS) in the region of Campinas and also provide support for configuration of the regionalized health care network in ophthalmology. The study included 62 municipalities from the State of São Paulo, which comprises the Regionalized Health Care Network (RRAS) 15 and RRAS 16. The Clinical Hospital of Unicamp is the reference for high complexity in this region. Only public health services and their partners were evaluated. To perform the study, professionals from de Regulatory Section of the Health Division of the municipalities were interviewed. The instrument was a semi-structured questionnaire, developed in the exploratory study and applied by direct interview. We evaluated service strategies with variables that allow for characterization of the eye care regarding the model of care adopted, specialized ambulatory services, local and regional flow of patients, service power of resolution, professional profile, pharmaceutical assistance programs, participation in consortia and partnerships with other health institutions. The study area has a population of 4.805.691 inhabitants. There are services in ophthalmology in 77.4% of the municipalities. There are 5 AMEs in the region, two philanthropic hospitals, a state hospital and two university hospitals with referenced assistance. There are presently three regional health consortia in the region. The entrance of patients into the system for eye care occurs mainly by primary care services (95.2% of municipalities) and clinician referral (74.2%). Waiting time for ophthalmology consultation is between 30 and 60 days. There is a waiting list for appointments in 58.0% of the municipalities totaling 27,159 patients. The total number of consultations available is approximately 21,512 a month. There are 115 ophthalmologists acting in the public service: 87 in RRAS 15 and 28 in RRAS 16. There are 57 offices with basic ophthalmologic equipment. Patients of greater complexity are referred to appropriate services. There is no emergency assistance in ophthalmology, and 82.3% of the municipalities do not have operating room facilities for ophthalmology. There are waiting lists for cataract surgery in 80.6% of the municipalities (5,796 patients in RRAS 15 and 796 in RRAS 16). In 13 municipalities with waiting lists (26.0%), there are no data regarding the number of patients. The majority of queues (81.8%) are concentrated in 8 cities (12.9%) and there are no data regarding queues for diseases of the retina. The pharmaceutical assistance program for glaucoma medications is present in 79.0% of the municipalities, and medical transportation in 100.0%. There is a system for reference and counter reference of patients in 53.2% of the municipalities and the majority (82.3%) does not have clinical protocols for ophthalmology. The main difficulties found in the organization of care are related to flow of patients with more complex problems (referral, surgeries and procedures of retina). This study corroborates the necessity of organizing flow patient so that the available resources are better placed and investments can be made in order to attend the identified needs
Subject: Serviços de saúde ocular
Atenção a saúde
Regionalização
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: OLIVEIRA, Denise Fornazari de. Avaliação sistematizada da demanda e capacidade instalada para atendimento em oftalmologia e da regulação de fluxo de pacientes na região de Campinas. 2013. 137 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/308535>. Acesso em: 23 ago. 2018.
Date Issue: 2013
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Oliveira_DeniseFornazaride_D.pdf3.05 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.