Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308247
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Atividade fisica e fragilidade em idosos da comunidade = dados do FIBRA Campinas
Title Alternative: Physical activity and frailty in community dwelling elderly : data from the study FIBRA Campinas
Author: Costa, Taiguara Bertelli, 1978-
Advisor: Neri, Anita Liberalesso, 1946-
Neri, Anita Liberalesso
Abstract: Resumo: Existe consenso quanto a importância da atividade física para a promoção da saúde dos idosos, mas ha controvérsias a respeito dos métodos para avaliá-la, assim como ha dificuldades para discriminar entre os efeitos de variáveis de saúde e de variáveis comportamentais sobre sua pratica. Objetivo: Investigar relações entre fragilidade indicada por perda de peso, fadiga, baixa forca de preensão, lentidão da marcha e comorbidades, e níveis de atividade física avaliados por dois diferentes critérios, em idosos recrutados na comunidade, agrupados por gênero, idade e nível de renda familiar. Métodos: Participaram 689 idosos selecionados por desempenho superior a nota de corte no Mini-Exame do Estado Mental, de amostra de 900 idosos recrutados em domicilio, em setores censitários urbanos de Campinas sorteados ao acaso. A media de idade foi 72,28 + 5,40 e a renda mensal media de 4,72 salários mínimos + 5,27; 68,21% eram mulheres. Os níveis de atividade física foram aferidos por meio de versão adaptada do Minnesota Leisure Time Physical Activity Questionnaire. Perda de peso não intencional nos últimos 12 meses, exaustão e doenças crônicas diagnosticadas por medico, foram avaliadas por autorrelato. Forca de preensão manual em Kgs/forca correspondeu a media de três tentativas com dinamômetro Jamar, na mão dominante. Velocidade de marcha foi indicada pelo tempo médio gasto para percorrer 4,6 metros (três tentativas). O nível de atividade física foi indicado por dois critérios: pratica semanal regular e acumulada de 150 min. de exercícios físicos moderados ou de 120 min. de exercícios físicos vigorosos e taxa semanal de gasto calórico superior ao primeiro quintil da distribuição dos valores obtidos pela pratica de exercícios físicos e de atividades domesticas, ajustados por peso e por sexo. Pontuaram para fragilidade os idosos que perderam pelo menos 4,5 kg ou 5% do peso corporal; que responderam sempre ou quase sempre a qualquer um de dois itens escalares sobre fadiga; que pontuaram abaixo do 1º quintil no teste de preensão e acima do percentil 80 no teste de marcha, e que relataram ter pelo menos 3 doenças crônicas. Resultados: a prevalência de idosos que perderam peso foi 15,09%; dos que apresentaram fadiga, 17,13%; baixa forca de preensão, 16,96%; lentidão de marcha, 15,87%, e 3 ou mais doenças crônicas, 43,02%. A freqüência de ativos pelo critério de gasto calórico foi de 83,55%; pelo critério de regularidade da pratica de exercícios físicos, 45,27%. Houve associações positivas entre baixo nível de gasto calórico e baixa forca de preensão, lentidão de marcha e idade avançada; entre sedentarismo quanto a pratica de exercícios físicos e comorbidades. Conclusões: As diferentes relações encontradas entre os dois tipos de medida de atividade física e os indicadores de fragilidade podem ser atribuídas a questões metodológicas, a condições de saúde e a influencia de atitudes, valores e motivações sobre a adesão de homens e mulheres idosos a pratica de exercícios físicos e ao desempenho de atividades domesticas. Políticas publicas de incentivo a pratica regular de exercícios físicos e de atividades produtivas em casa, por idosos, devem levar em conta questões comportamentais e culturais, de modo especial quando o alvo for a população com menor renda e com saúde mais precária

Abstract: There is consensus on the importance of physical activity for health promotion for older people, but there is controversy about the methods to evaluate it, just as there are difficulties to discriminate between the effects of health variables and and behavioral variables on your practice. Objective: Examining relationships between frailty indicated by weight loss, fatigue, low grip strength, slow gait and comorbidities, and physical activity levels assessed by two different criteria, recruited in the elderly in the community, grouped by gender, age and income level familiar. Methods: 689 subjects selected for performance above the cutoff score on the Mini-Mental State Examination, a sample of 900 elderly people recruited from home in urban census tracts of Campinas drawn at random. The average age was 72.28 + 5.40 and the average monthly income of 4.72 minimum wages + 5.27; 68.21% were women. The physical activity levels were measured by the adapted version of the "Minnesota Leisure Time Physical Activity Questionnaire". Unintentional weight loss over the past 12 months, depletion and chronic diseases diagnosed by a physician, were assessed by self-reported. Handgrip strength in kgs/force corresponded to the average of three attempts with Jamar dynamometer in the dominant hand. Gait speed was indicated by the average time spent to travel 4.6 meters (three attempts). The level of physical activity was indicated by two criteria: regular weekly practice and accumulated 150 minutes of moderate exercise or 120 minutes of vigorous physical exercise and weekly rate of caloric expenditure above the first quintile of the distribution of values obtained by exercise physical and domestic activities, adjusted for weight and sex. Scored for fragile elderly people who have lost at least 4.5 kg or 5% of body weight; respondents always or almost always either of two scale items on fatigue, which scored below the first quintile of the test and hold above the percentile 80 in the test running, and who reported having at least three chronic diseases. Results: The prevalence of elderly people who lost weight was 15,09% of those with fatigue, 17.13%, low grip strength, 16.96%, slow gait, 15.87%, and three or more chronic diseases, 43.02%. The frequency of assets by the criterion of calorie expenditure was 83.55% by the criterion of regular physical exercise, 45.27%. There were positive associations between low caloric and low grip strength, slow gait and age, as between a sedentary lifestyle with exercise and physical comorbidities. Conclusions: The different relationships observed between the two types of measurement of physical activity and indicators of frailty can be attributed to methodological issues, the health conditions and the influence of attitudes, values and motivations on the accession of elderly men and women to practice physical exercise and performance of household chores. Public policies to encourage regular exercise and physical productive activities at home for the elderly, should take into account cultural and behavioral issues, especially when the target is people with lower income and poorer health
Subject: Idosos
Idoso fragilizado
Doença crônica
Atividade física
Exercícios físicos
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: COSTA, Taiguara Bertelli. Atividade fisica e fragilidade em idosos da comunidade = dados do FIBRA Campinas. 2010. 90 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/308247>. Acesso em: 16 ago. 2018.
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Costa_TaiguaraBertelli_M.pdf1.34 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.