Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/287141
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Identidade territorial : a geografia das construções e dissoluções culturais urbanas
Title Alternative: Identity territorial
Author: Almeida, Marina Castro de
Advisor: Santos, Regina Célia Bega dos, 1948-
Abstract: Resumo: Investigar os elos entre Cidade, Indivíduo e Identidade, não apenas relatando suas verídicas relações, influências ou determinações, mas desvendando a essencial cumplicidade entre essas categorias, o que nos dá a chave para questões intrigantes, essas sim foco central do trabalho: a constituição do indivíduo, deste ser, produto e produtor das cidades contemporâneas, a construção da subjetividade; de uma identidade difusa, incoerente e híbrida. As cidades são movimentadas pela ansiedade de encontros conflitantes, nervosos, mas frutuosos e criativos, que consagram seu caráter veloz e produtivo. Aqui, território das relações - uma espécie de máquina alimentada por sensações, fantasias, medos e desejos - as normas são regidas por poderes muitas vezes não identificáveis, mas claramente opressores e cruciais na ordenação vigorante. Inscreve-se na paisagem a reprodução dessa lógica, uma dinâmica destrutiva, por ser excludente, porém viciosamente produtiva e sustentadora dos diversos interesses. Assim são as cidades contemporâneas, e assim se define o tal objeto focalizado, sobre o qual se traçam inúmeras inquietações, incertezas, pretensões e encantamento. De fato, este tema ou objeto não é, por si só, a razão e a questão a ser perseguida no trabalho, tampouco é privilégio da Geografia olhar e analisar as cidades contemporâneas. Inúmeras são as áreas do conhecimento que se debruçam à árdua missão de desvendar as profundezas ou as superficialidades das cidades. Formal ou informalmente, artística ou cientificamente, as vozes gritam hinos de censura ou consagração; as muitas linguagens e os mais diversos esforços se concentram em intervenções sobre a mais fiel das representações do indivíduo contemporâneo - as cidades. Essa multiplicidade de manifestações demonstra a necessidade latente e cada vez mais urgente de buscar respostas a questões individuais (porque são referentes aos indivíduos), e dessa forma a questões urbanas. E neste ponto a Geografia emerge como área do saber intimamente comprometida com esse desafio, de aproximar homens e lugares como dimensões de uma mesma totalidade. E talvez, seja nessa possibilidade de intervenção que se resolvam algumas das mais antigas e frustrantes dicotomias vividas pela ciência Geográfica, o afastamento entre os estudos estritamente naturais e os ditos estudos humanos. Tudo se encontra na cidade, as questões culturais, étnicas, geopolíticas, que são, concomitantemente, ambientais e assim também são hidrográficas, pedológicas, geomorfológicas, e é claro estéticas, subjetivas, espirituais...A fragmentação e as diferentes atuações consagradas a cada área do saber nos trouxeram certas castrações, visto que a especialização, elevada ao seu extremo, faz-nos crer que os fenômenos estejam classificados por uma ordem disciplinar, a qual não se adequam necessariamente. Deste modo, nós é que supomos que cada problema tenha sua solução em uma determinada área, mas na realidade os problemas não podem ser disciplinadamente classificados, já que são constituídos de uma natureza difusa, efêmera e muitas vezes mais complexa do que nossa taxonomia podia prever. Nesse sentido a Geografia, assim como professam alguns de seus praticantes, fornece instrumentos que nos habilitam a uma análise una, capaz de tratar os fenômenos em sua íntegra natureza. Se a cidade, em sua contemporaneidade, é objeto de inúmeros questionamentos e inspiração para inúmeros trabalhos, eis aqui mais uma tentativa. Porém, seria pretensão e quase utopia uma dedicação às suas mais diversas dimensões, ou mesmo à Geografia das cidades contemporâneas como foco de um trabalho de dissertação elaborado em alguns meses. O recorte proposto é o ponto que une e contempla a espacialização fruto de uma tríade: Cidade, Indivíduo, Identidade. O tratamento dedicado à cidade tem a pretensão de focalizar o movimento entre escalas locais e globais, no qual permeiam as relações dos indivíduos em sua constante construção e dissolução de referências e territorialidades. Eis, portanto o espaço propício à discussão que se pretende elucidar: o movimento entre o lugar (local e/ou global) e o indivíduo (particular e/ou coletivo) e as materializações advindas dessa simbiose, especialmente no que se refere às práticas culturais

Abstract: To investigate the links between City, Individual and Identity, not only reporting their true relations, influences or detenninations, but disclosing the essential complicity between these categories, which brings us the key to intriguing questions, these indeed the central focus of the work: the constitution of the individual, of this being, product and producer of the contemporaneous cities, the construction of subjectivity; of a diffuse, incoherent and hybrid identity. The cities are moved by anxiety of conflicting, nervous, but fruitful and creative encounters, which consecrate its swift and productive character. Here, relationship territory - a type of machine fed by sensations, fantasies, fears and desires - the standards are ruled by powers many times unidentifiable, but clearly oppressive and crucial in the vigorous ordainment. The reproduction of this logic is inscribed in the landscape, a destructive dynamic, for being excluding, however viciously productive and sustainer of diverse interests. Thus are the contemporaneous cities, and thus such focused object is defined, on which numerous uneasiness, uncertainties, pretensions and enchantments are traced. In fact, this theme or object is not, by itself, the reason and the question to be pursued in the work, neither is it the privilege ofthe Geography to look and analyze the contemporaneous cities. Numerous are the areas of knowledge that lean over to the arduous mission of disclosing the depths or the shaIlowness ofthe cities. FormaIly or informaIly, artisticaIly or scientifically, the voices shout hymns of reproach or consecration; the many languages and the most varied efforts are concentrated on interventions on the most faithful of the representations of the contemporaneous individual - the cities. This multiplicity of manifestations shows the latent and more and more urgent need to seek for answers to individual questions (because they refer to individuaIs), and thus the urban questions. And in this point, the Geography emerges as an area of knowledge intimately committed with this chaIlenge, ofapproaching men in places as the dimensions ofthe same totality. And maybe, it is in this possibility of intervention that some of the most old and frustrating dichotomies lived by the Geographic science could be solved, the distancing between the strictly natural studies and the so-called human studies. Everything is found in the city, the cultural, ethnic, geopolitical questions, which are, concomitantly, environmental and thus are also hydrographic, pedagogical, geomorphologic, and, of course, aesthetic, subjective, spiritual... The fi'agmentation and the different acts consecrated in each area of knowledge brought us certain castrations, since specialization, highest to the extreme, makes us believe that the phenomena are classified by a disciplinary order, to which they are not necessarily adequate. 'Thus, we are the ones who suppose that each problem has its own solution in a given area, but actuaIly the problems cannot be disciplinarily classified, since they are made up of a diffuse, ephemeral nature, and many times more complex than our taxonomy could foresee. In this sense, Geography, like some of its practitioners profess, supplies instruments that aIlow us a sole analysis, capable oftreating the phenomena in their integral nature. If the city, in its contemporaneity, is the object of numerous questionings and inspiration for numerous works, here's another attempt. However, it would be pretentious and almost utopian a dedication to its most diverse dimensions or even to the Geography ofthe contemporaneous cities as the focus of a dissertation work prepared in a few months. The proposed coIlage is the point that unites and contemplates the spatiality fruit of a triad: City, Individual, Identity. The treatment dedicated to the city has the pretension of focusing the movement between local and global scales, in which the relationship of the individuaIs permeates in its constant construction and dissolution of references and territorialities. Here's, therefore, the space propitious to discussion that is intended to be elucidated: the movement betweén the place (local andJor global) and the individual (private andJor coIlective) and the materializations arising from this symbiosis, especially in relation to cultural practices
Subject: Cidade - Comunidade urbana
Geografia humana
Sociologia urbana
Pós-modernidade
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: ALMEIDA, Marina Castro de. Identidade territorial: a geografia das construções e dissoluções culturais urbanas. 2005. 141p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociencias, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/287141>. Acesso em: 5 ago. 2018.
Date Issue: 2005
Appears in Collections:IG - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Almeida_MarinaCastrode_M.pdf5.37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.