Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/275149
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Trabalho, tempo livre e emancipação humana : os determinantes ontologicos das politicas sociais de lazer
Title Alternative: Work, free time and human emancipation : the ontologisms determinant of the social politics of leisure
Author: Hungaro, Edson Marcelo
Advisor: Castellani Filho, Lino, 1951-
Abstract: Resumo: Em decorrência das transformações sociais recentes, que são causa e conseqüência da hegemonia neoliberal, vivemos um período extremamente restritivo para aqueles que objetivam a emancipação humana. A reestruturação produtiva, as transformações significativas nas classes sociais, as profundas metamorfoses da ambiência cultural, o avanço do neoliberalismo e o fim das experiências socialistas nos conduziram a um quadro societário absolutamente restritivo, do ponto de vista revolucionário. Em virtude desse quadro, a maior parte da humanidade tem vivido sem qualquer expectativa de uma existência plena de sentido. As alternativas político-teóricas ao capitalismo foram consideradas derrotadas e, segundo os conservadores de plantão, é chegado o fim da história. Como estamos, segundo tais analistas, submetidos a esta "metafísica do presente", resta-nos, apenas, o desfrute de prazeres hedonistas e consumistas. Assim, no lazer, temos a alternativa de sermos "livres para consumir". A alienação, o fetichismo de mercadoria e a reificação atingem formas e níveis nunca antes vistos. Serão verdadeiros os fundamentos dessa metafísica do presente? Estarão as realmente fracassadas as alternativas societárias ao capitalismo, especialmente as socialistas e comunistas? Foram, de fato, superadas as análises e projeções políticas formuladas por Marx? Há, ainda, possibilidades para um projeto emancipatório para a humanidade? Como fica, no quadro contemporâneo, a clássica equação marxiana "Emancipação Política e Emancipação Humana"? Por fim, como se situaria o lazer nessa equação? Quais são, efetivamente, as suas possibilidades emancipatórias? O estudo que apresentamos objetivou abordar esse conjunto de questões. Assim, por meio de uma investigação que se pôs sob o ponto de vista do materialismo históricodialético, analisamos o tempo presente e suas repercussões sobre o trabalho - a protoforma de toda práxis social (Lukács, 1979). Inicialmente, procuramos demonstrar o lugar central ocupado pelo trabalho na ontologia do ser social. Em seguida, analisamos sua (des) realização na ordem burguesa, já que se objetiva, quase que exclusivamente, como trabalho alienado. Tal alienação é acentuada com as transformações sociais ocorridas nas últimas décadas e, assim, cresce ainda mais a (des) realização no/do trabalho. Assim, tanto na produção quanto na reprodução social os níveis de alienação crescem assustadoramente. Como conseqüência, a sociabilidade contemporânea é expressão contínua de desumanização. O lazer, na medida em que tem sua ocorrência no chamado "tempo livre", está totalmente vinculado ao quadro sinteticamente exposto. A superação desse quadro exige um projeto de emancipação humana - revolucionário - que perceba a emancipação política como um meio e não um fim em si próprio. As políticas sociais se inscrevem nesse processo de Emancipação Política e, dentro delas, o lazer. Nosso estudo, por fim, demonstrou que a luta emancipatória contemporânea supõe a luta pela manutenção e pela ampliação dos direitos sociais. A vitória em tal luta não representará, ainda, a emancipação humana. Essa só poderá ser obtida com a superação da ordem burguesa. Nesse processo de emancipação política, o lazer se apresenta em posição de destaque quanto ao seu potencial num processo revolucionário, pois, ontologicamente, está ligado tanto à produção quanto à reprodução das relações sociais.

Abstract: In consequence of the recent social transformations, that are cause and consequence of the neo-liberal hegemony, we live an extremely restrictive period for those that plan the human emancipation. The productive restructuration, the significant transformations in the social classes, the deep metamorphoses of the cultural atmosphere, the advancement of the neo-liberalism and the end of the experiences socialists drove us to a chart societal absolutely restrictive, of the revolutionary viewpoint. Because of that chart, most of the humanity has lived without any expectation of a full existence of sense. The political-theoretical alternatives to the capitalism were considered defeated and, second the conservatives of duty, is arrived the end of the history. As we are, second such analysts, submitted to this "metaphysical of the present", remains-us, barely, the enjoyment of you will please hedonists and consumerist. Like this, in the leisure, we have to alternative of we will be "free for consume". The alienation, the fetishism of merchandise and to reification reach forms and levels never before seen. They will be true the foundations of that metaphysics of the present? Will be the really failed the alternative societal to the capitalism, specially the socialists and communist? They were, of fact, exceeded the analyses and political projections formulated by Marx? There is, still, possibilities for a project emancipate for the humanity? As it stayed, in the contemporary chart, to classical equation Marxian "Political Emancipation and Human Emancipation"? Finally, as it would be situated the leisure in that equation? Which are, actually, their possibilities emancipates? The study that present planned to approach that assembly of questions. Like this, by means of an inquiry that itself put under the viewpoint of the materialism historicaldialectic, we analyze his and present time repercussions about the work - to protoform of all praxis social (Lukács, 1968). Initially, we are going to show the central place occupied by the work in the ontology of him be social. Right away, we analyze his (of) achievement in the bourgeois order, since itself objective, barely that exclusively, as work alienated. Such alienation is accentuated with the social transformations occurred in the last decades and, like this, grows still more to (of) achievement no/give work. Like this, so much in the output how much in the social reproduction the levels of alienation grow monster. As consequence, the contemporary sociability is continuous expression of dehumanization. The leisure, in the measure in that has his occurrence in him called "free time", is entirely linked to the synthetically displayed chart. The overcoming of that chart requires a project of human emancipation - revolutionary - that perceive the political emancipation as an environment and not an in itself own end. The social politics itself inscribe in that trial of Political Emancipation and, inside they, the leisure. Our study, finally, showed that the fight emancipator contemporary supposes it fights by the maintenance and by the enlargement of the social rights. The victory in such fight will not represent, still, the human emancipation. That alone one will be able to be obtained with the overcoming of the bourgeois order. In that trial of political emancipation, the leisure is presented in position of highlight as regards his potential in a revolutionary trial, therefore, ontological, is connected so much to the output as regards the reproduction of the social relations.
Subject: Trabalho
Tempo livre
Política social
Lazer
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: HUNGARO, Edson Marcelo. Trabalho, tempo livre e emancipação humana: os determinantes ontologicos das politicas sociais de lazer. 2008. 266 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação Fisica, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/275149. Acesso em: 2 mar. 2020.
Date Issue: 2008
Appears in Collections:FEF - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Hungaro_EdsonMarcelo_D.pdf1.53 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.